Arquivo do autor:Poeta da Garrafa

Sobre Poeta da Garrafa

Sou o Poeta da Garrafa. Odilon Machado de Lourenço nascido no pampa, ventado em minuanos, procurador de esmos e lonjuras. O que busca caminhos e olhos, palavras e sonhos. O que segue no claro do sol e da lua, o que navega e silencia à beleza. O que lavra a terra, águas e céu, plantador de passos, horizontes, sementes de amor e ternura. O que vai a colher miragens, tomar sombras, redemoinhar sem leme. Sou a distância dos dias e das noites que andam comigo contemplando o mundo. Sou brumas revoadas pelo som das auroras, amanhecido de velhas histórias e delírios. O veio, o nascedouro de uma loucura, mas sou sublime se contemplares meus olhos e ouvir meus sentidos. Sou folheador de paisagens, miscigenado brasileiro da Latino América, ouvidor de marulhos e brisas, caçador de estrelas. Olhador de fogueiras, enritmado de blues, samba e versos. Sou uma deriva com porto.

Nesse poema – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Nesse poema Tenho nesse poema guerras, civilizações, tratados Tenho nesse poema demônios, subúrbios, luas, uivos… Tenho nesse poema sentidos, estrelas, naturezas noturnas Tenho nesse poema desenhos, estradas, montanhas, fêmeas alucinadas Tenho nesse poema…

Publicidade

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Do homem que enfrentou o mar – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Do Homem que enfrentou o Mar Bravos sais da tempestade arrancai do mar as paciências! Desordena suas vagas em meus olhos Roube os soluços de minhas veias Quebre quilhas, lemes, rasgue velas de…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para saber do tempo – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Para saber do tempo Em janeiro, quando a flor do verão for o auge do jardim, teremos esquecido as névoas de agosto Seguirá um fevereiro com pouco carnaval e os calores dos dias…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Elogio – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Quando se enxerga a última chance da luz. Elogio Para Clarissa Cunha. Ela tem simetria bonita no rostoSeus sorrisos parecem luaresEla é elegante no andarSuas pernas dançam como ondas no marEla tem voz…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Tela em braile – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Tela em braile Para Clarissa Cunha. Folhas de palmeiras inertes as sobrancelhasPortas de galáxias distantes as pálpebrasRochedo pontiagudo e retilíneo o narizLábios desenhados para alucinar a belezaNa face macia das bochechas a temperatura…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Frida – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Pintura de Roseli Farias Frida Uma tela navega por dentro das veiasSe expande porto a porto como mar de si mesmaConcebe realidade de entranhasExterna versos pintados em cores dialéticasPinceladas vibrantes saltam do fogo…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Marilyn – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Pintura de Roseli Farias Marilyn Quem sabe o cinema continuasse sem corAs cenas dos filmes encenassem outras divasComo seriam os dourados cabelos de Marilyn?Seu sorriso em flor abrindo mundos…Quem sabe o cinema não…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Confissões da Aeromoça – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Confissões da Aeromoça Para Clarissa. Como se pegasse as mãos da cidadeDeslizava no gelo com leveza e calmaNew York rodopiava nos seus olhos de pássaroVoou as distâncias da terra navegando estrelasPasseou seus olhares…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Mulher Natureza – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Mulher Natureza No seu sorriso metade é solOutra metade lua cheiaSeus olhares migram como pássarosE pousam para escutar o silêncioQuando movem-se seus braçosUma nuvem esvoaça-se em chuvaQuando seus passos se alternam na direção…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

A incrível roupa do homem do primeiro andar – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
A incrível roupa do homem do primeiro andar Olho a cidade a mover mãosBraços multiplicam-sePicaretas estilhaçam muros e adentramE outros obstáculos montanhosos surgemMais braços chegam para cavarCavam, cavam, cavam!Ignoram ouro, diamantes, metais desconhecidosProcuram…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Iminência – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Iminência Que não me falte elegância na hora do socoA mão direita pesa e a esquerda é chumboSinto acidez no estômago de muitas gentesUm ácido agarrado às paredes da gargantaEstranho incômodo regurgitado pois…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Utopia – Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Utopia Lá na volta da curva as flores se espraiamPerfumam um bosque estendido em verdurasLugar singular na beleza, estreita lindeza na volta da curvaCantam cascatas ressoando nas matas os uivos das águasNa volta…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Exú Tiriri Lanã. Por Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Exú Tiriri Lanã Quando bate os pés no chão a mata tremeComo se fosse um tambor infiltrado na noiteO fogo das velas não lhe queimam as mãosNem sua língua se afeta com o…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Esperando a hora certa

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
por Jenis dois, três, quatro e nem sei mais quantos já passaram depois que o amarelo do casaco se fundiu ao amarelo da cadeira a espera não um trem mas uma marca do…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Decantamentos by Odilon Machado de Lourenço

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
PARA ITAPUÃ. As águas dos dias escorrem para o cimo crepúsculo Ventos levam os ares do sol ao outro amanhã Auras viram ondas a cair sob as sombras Vultos adentram a simbiose da…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Texto pandêmico | iorubá by Hang Ferrero

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
pra me afastar um tanto dos sete escudos do meu canto, encaixo um zumbi (do) nas orelhas. tudo feito pra ficar bonito; brinco(s), de estrela. pra saída; o raiar o dia: bom pra…

Publicado em Uncategorized | 3 Comentários

Microconto: Os três bules 

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Fotografia cedida por Lúcia Lopes By Daniela S. Terehoff Merino (@daniterehoff)  Eram três bules vivendo há tempos nas prateleiras da mesma loja. O maior, não hesitava em falar de sua origem europeia, dizendo…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Anderson Lucarezi: 100 poetas brasileiros

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Anderson Lucarezi: Constelário (2016) sequer o céu é sincero: a estrela que cintila não é a estrela que cintila, visto que, na real, imagem antiga. o escuro que anoitece não é o escuro…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Desperdício… By Miriam Costa

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Minha riqueza é minha palavra, meu cárcere o silêncio.Horas escassas que duplicavam nossos sentimentos, nunca entramos numa conversa que nos levasse a nada.A vida é um idioma, os encontros aleatórios são invocados no…

Publicado em Uncategorized | 2 Comentários

Declaração de nostalgia by Jenis

Publicado originalmente em MasticadoresBrasil Editora: Miriam Costa :
Ainda o tenho em meus poemas Já se foram três, até onde contei a presença secreta dele conforta sem razão aparente refúgio conhecido familiar não particularmente seguro mas me chama para a volta…

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário