Das senhoritas

Sempre há uma senhorita

Uma é muito ocupada com não sei quê, só dela tem dez mundos

Outra passa olhando dura e dura enquanto passa

E teima olhando reto como se negasse todas as paisagens

Fora da reta tudo é dela, mas ela não conhece

Outra é marinheira, vem arrumando o cabelo e finge falar ao

telefone com uma amiga que está para chegar mas não existe

E há a senhorita com sorriso cortês e olhos de tigra que passa prateando

Seus dentes são um colar dentro da boca

Eis outra que insinua vulcões

É bonita e impura, como o vento recolhe o mundo e depois larga a toa

Sempre há uma senhorita atrás das palavras de amor

E o poeta escreve para uma, para outra, para todas

Eis que chega uma senhorita na casa do poeta

Abraça o poeta, almoça o poeta, lavra as palavras do poeta

Depois some deixando os olhos do poeta à espera de vê-la de novo

E o poeta escreve, sonha e cuida ela vindo ao portão como nuvem de mundos.

Anúncios

Sobre Poeta da Garrafa

Sou o Poeta da Garrafa. Odilon Machado de Lourenço nascido no pampa, ventado em minuanos, procurador de esmos e lonjuras. O que busca caminhos e olhos, palavras e sonhos. O que segue no claro do sol e da lua, o que navega e silencia à beleza. O que lavra a terra, águas e céu, plantador de passos, horizontes, sementes de amor e ternura. O que vai a colher miragens, tomar sombras, redemoinhar sem leme. Sou a distância dos dias e das noites que andam comigo contemplando o mundo. Sou brumas revoadas pelo som das auroras, amanhecido de velhas histórias e delírios. O veio, o nascedouro de uma loucura, mas sou sublime se contemplares meus olhos e ouvir meus sentidos. Sou folheador de paisagens, miscigenado brasileiro da Latino América, ouvidor de marulhos e brisas, caçador de estrelas. Olhador de fogueiras, enritmado de blues, samba e versos. Sou uma deriva com porto.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

6 respostas para Das senhoritas

  1. kethuprofumo disse:

    Ma lei non e uma Garota di Ipanema 🙂

  2. misskittypt disse:

    E o poeta apaixona-se sempre por “aquela”… a mais misteriosa, a que se torna ilusão… E escreve para ela…
    Adorei… ❤

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s